quinta-feira, 6 de julho de 2017

"A Revolução dos Bichos" de George Orwell

"Nada havia agora senão um único Mandamento dizendo: TODOS OS ANIMAIS
SÃO IGUAIS, MAS ALGUNS ANIMAIS SÃO MAIS IGUAIS QUE OS OUTROS.
Depois disso, não foi de estranhar que, no dia seguinte, os porcos que
supervisionavam o trabalho da granja andassem com chicotes nas patas." - A Revolução dos Bichos

por Renan Caíque
   
"A Revolução dos Bichos", publicado em 1945 por George Owell(1903-1950), é um romance que satiriza o stalinismo. O livro se passa em uma fazenda, a Granja do Solar, e conta a estória de animais que cansados de serem explorados pelos humanos  promovem uma rebelião contra os seus donos, expulsando-os e apossando-se da fazenda. Os animais mudam o nome da fazenda para "Granja dos Bichos" e buscam alcançar uma sociedade ideal onde há igualdade e justiça, baseada nos princípios de um sistema político criado por eles, o animalismo, onde se repudiava tudo o que era humano, e tal sistema podia ser resumido em: "Quatro pernas bom, duas pernas ruim." Os porcos, por serem os mais inteligentes ficam na liderança, especialmente Napoleão e Bola-de-Neve, e no início a sociedade parece funcionar bem, porém, não demora muito para que os líderes passem a usufruir de privilégios em relação aos outros animais; apesar disso ainda prevalece a maior parte dos ideais iniciais do novo sistema. O pior acontece quando Napoleão, corrompido pelo poder, expulsa Bola-de-Neve à força da fazenda, e se torna o único líder. Logo, o Animalismo aos poucos é modificado e chega a uma ditadura igual ou até pior à dos humanos, onde ninguém pode pensar de maneira diferente do governo, e aqueles que ousam ir contra ele são silenciados à força ou desaparecem. Tudo o que os animais passam a fazer é trabalhar e comer – isto é, quando há comida – ficando sem tempo para pensar.



Contexto histórico que inspirou a obra:




Em 1848, foi publicado o "Manifesto do Partido Comunista", por Karl Marx(1918-1883) e Friedrich Engels(1890-1895), um dos tratados políticos mais importantes e influentes da história. Esta obra propunha a união dos proletários em todo o mundo contra a opressão burguesa, e dizia que só por meio da revolução haveria reformas sociais e melhores condições de vida para enfim se atingir uma sociedade igualitária, sem classes. Mais de 50 anos depois, no início do século XX, a Rússia era um país de economia atrasada e a extrema miséria e pobreza reinavam entre os trabalhadores rurais. O czar Nicolau II governava a Rússia de forma absoluta, ou seja, concentrava em si todo o poder, agindo antagonicamente à democracia. Por volta deste tempo, começa a formação de grupos de trabalhadores russos, sob liderança de Vladimir Lênin(1870-1924). Em 1917, a insatisfação popular aumentou, após a Rússia participar da Primeira Guerra Mundial, e destarte obter muitos gastos e prejuízos. Em outubro deste ano, enfim ocorre a Revolução Russa, onde Lênin assume o poder e baseado em Marx implanta o socialismo. Após a revolução, surge a URSS(União das Repúblicas Soviéticas), e se segue um período de grande crescimento econômico. Após a morte de Lênin, em 1924, houve uma grande luta interna pelo poder soviético, principalmente entre Trótsky e Stalin. Stalin acaba vencendo e logo expulsa Trótsky do partido e do país, depois mandando executá-lo. Stalin, rapidamente, torna-se um ditador absoluto, que mandava prender, torturar e matar aqueles que pensassem ou agissem contra os seus interesses. O stalinismo, como ficou conhecido o seu governo durou até a sua morte, em 1953.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Ao escrever "A Revolução dos Bichos", George Orwell inspirou-se em tais eventos históricos, e não são difíceis de notar as analogias feitas por ele: Major, o sábio porco que no início da estória propõe uma revolução é uma representação de uma mistura de Marx com Lênin; Sr. Jones o czar Nicolau II, os cavalos Sansão e Quitéria, que são muito fortes e trabalhadores, representam o proletariado; Bola-de-Neve, o porco exilado injustamente seria claramente Trótsky; o ditador Napoleão seria Stalin, os cães que o protegem a KGB (polícia secreta soviética) e Garganta representa a propaganda do governo, que oculta a verdade do povo a fim de controlá-lo. Tanto a obra quanto os fatos históricos que a inspiraram, iniciam-se com sonhadores, que cansados dos sofrimentos e opressões pelos quais passavam, almejam a formação de um mundo melhor, inspirados pelas ideias de um grande pensador, e fazem uma revolução. O desfecho também é igual: ambos terminam em um regime totalitário.






George Orwell era um socialista democrático e, obviamente, neste livro não fez uma crítica ao socialismo e sim ao stalinismo, ou seja, à tentativa de Stalin de colocar o Socialismo de Marx em prática, pois como ele mesmo disse "Stalin traiu a Revolução Russa" e também: "nada contribuiu tanto para a corrupção da ideia original de socialismo quanto a crença de que a Rússia é um país socialista..."
O livro, do começo ao fim, é belíssimo, reflexivo e em momento algum torna-se enfadonho, ao contrário, é sempre muito envolvente, e há momentos que chegam a causar revolta e compaixão, como quando vários animais inocentes são executados a mando de Napoleão sob suspeita de traição, ou mesmo lágrimas, como quando Sansão será sacrificado como se fosse nada, embora tenha sido durante toda a sua vida fiel, prestativo e de ótimo caráter. E quando se pensa que tudo isso realmente acontecia com pessoas no período que inspirou o livro, o sentimento de angústia torna-se maior ainda.
É impressionante a originalidade deste livro, que ao tratar de assuntos tão sérios e profundos, vale-se de uma linguagem leve, simples e é contado através de uma fábula, tornando-o inteligível a todo tipo de leitor, desde uma criança até um leitor extremamente crítico. Impressiona também a atualidade da obra, pois apesar de ter sido baseada em um determinado período histórico, não é necessário conhecimento dele para poder lê-la, afinal mais que uma crítica a tal período, o autor fez uma crítica a toda forma de autoritarismo e às mazelas humanas, tais como corrupção, traição, maldade, ambição e egoísmo. E inclusive pode ser analisado sob a ótica da sociedade atual, afinal o governo ainda não persiste em tentar distrair a população dos muitos problemas que existem através da propagação de mentiras e falsas esperanças? E não faz os de classe mais baixa trabalharem excessivamente, para assim não terem tempo para pensar e questionar? E a minoria que detém o poder não tem privilégios em relação ao resto? Enfim, são infinitas as analogias que podem ser feitas, o que nos faz refletir se não continuamos a viver em uma ditadura, apesar de disfarçada de democracia.

Por fim, pode se dizer que George Orwell, tendo presenciado o stalinismo, atingiu o seu principal objetivo, ao escrever “A Revolução dos Bichos”, que é o de mostrar ao leitor e fazê-lo realmente sentir, toda a irracionalidade, o egoísmo e os horrores que existem em uma ditadura, e como em vez de resolver os problemas sociais, ocorre um efeito contraproducente e ela acaba trazendo problemas maiores, concluindo que não é possível em uma sociedade onde o poder está centralizado em uma minoria, haver liberdade e igualdade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário